quarta-feira, 2 de março de 2011

CROMOTERAPIA - A CIÊNCIA DAS CORES


Por Juliana de Paula Sousa (adaptado de seu trabalho "Composto Fitovibracional - Uma nova abordagem para o uso de Fitoterápicos")




           Toda vibração emite uma onda e a onda é uma vibração que se propaga. Existe um número infinito de ondas, provenientes de inúmeras fontes que não se confundem, pois mantém características próprias, tais como: amplitude e frequência. O espectro eletromagnético constitui-se de ondas energéticas com comprimento variando entre longo e curto.
As cores, portanto, são energias e possuem frequências de vibração, assim como o raio-X. Elas são produzidas por ondas eletromagnéticas que fazem com que raios luminosos reflitam em uma determinada tonalidade, variando o comprimento de ondas. As frequências vibratórias variam desde ondas de rádio (ondas longas e baixa frequência) até raios cósmicos (ondas curtas e alta frequência).

As cores contidas na luz branca possuem comprimentos de onda que são medidas em Angström. As cores são uma parte do espectro magnético que se consegue visualizar. O espectro de luz visível situa-se acima do infravermelho e abaixo do ultravioleta, sendo as seguintes cores visíveis na ordem sequencial após o infravermelho: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, índigo, violeta (tabela 1).

                                  
  Tabela 1: Espectro eletromagnético – frequência e cumprimento   das ondas.  Fonte: Apice

 Cromoterapia é uma ciência que usa a cor para estabelecer o equilíbrio e a harmonia do corpo, da mente e das emoções. Ela vem sendo utilizada pelo homem desde as antigas civilizações, como Egito antigo, Índia, Grécia, China, dentre outros. A Cromoterapia é baseada nas sete cores do espectro solar, sendo que cada cor possui uma vibração específica, atuando desde o nível físico até os mais sutis. Existem muito estudos atualmente no campo cromoterápico, onde se determina qual a cor mais adequada para ambientes de trabalho, hospitais, dentre outros. Até nas propagandas o uso de cores é estudado, dependendo do objetivo a que se quer chegar, o público alvo e o produto que está sendo trabalhado.

A Cromoterapia é utilizada como terapia complementar de processos degenerativos da matéria física e equilíbrio das emoções, sendo as técnicas mais comuns: tratamento e exposição à luz colorida; ingestão de água solarizada ou tintura de cores; visualização e exercícios de respiração usando cores; decoração de ambientes com fins específicos; dieta com alimentos de cores relacionadas ao tratamento.

Segundo a Professora Ondina Balzano, inúmeros cientistas, terapeutas e médicos pesquisaram a Ciência das Cores ou Cromoterapia. Dentre estes profissionais, estão:


Dr. Dinshah Ghadiali - Médico indiano considerado o estruturador da Cromoterapia em bases científicas. Autor do livro: Spectro-Chrome Metry Encyclopaedie (três volumes), sobre a utilização das cores para tratamento de saúde. As experiências realizadas por Dr. Ghadiali revelaram que o corpo passa do estado de doença para a saúde ao se expor a luz colorida. An example of this effect is found in the medical practice of treating premature babies with Bilirubin Syndrome (jaundice) by exposing them to blue light, although the methodology is somewhat different from Ghadiali's. Um exemplo deste efeito é encontrado na prática clínica de tratamento de bebês prematuros com síndrome de bilirrubina (icterícia), expondo-os a luz azul, embora esta metodologia apresente diferenças do método praticado pelo médico indiano.
Dr. Edwin Babbitt - Médico americano, autor do livro The Principles of Light and Colour.  Ele observou as reações de pacientes com doenças mentais que, em contato com o raio vermelho ficavam violentos e sob a influência da vibração azul se acalmavam. Dr. Babbitt Mr. Babbitt invented a chromo lens made of pure crystal grade of glass consisting of three different colors, namely: the blue of a character greatly superior to the mazarine blue in its exclusively soothing and electrical effects; the yellow-orange or amber-colored; and the transparent. pesquisou a água solarizada e concluiu que a mesma poderia ser utilizada como medicamento, sem provocar os efeitos colaterais de algumas drogas.
Dr. John Ott - Médico e cientista americano. Diretor do Environmental Health and Light Institute de Sarasota, Flórida, USA. Autor do livro Health and Light. Pesquisou a cura do câncer através dos raios cromáticos em seres humanos, com ótimos resultados.
Dr. Mac Naughton - Médico em Londres, Inglaterra. Em seu livro Vibrations”, ele relata a grande importância da cor amarela na ativação do sistema linfático. Segundo Naughton, o azul produzia o oxigênio necessário para neutralizar o excesso de hidrogênio e de carbono, reduzindo (por oxidação) os radicais livres e alguns íons dissociados.
Dr. Niels Finsen - Médico em Copenhague, Dinamarca. Escreveu o livro Propriedades Actínicas da Luz do Sol e foi fundador do Instituto da Luz para a cura da tuberculose. Relatou curas surpreendentes em cerca de dois mil pacientes com a aplicação da energia colorida. Recebeu o Prêmio Nobel, em 1903.
René Nunes - Escritor, Professor, Conferencista e Pesquisador da Ciência das Cores. Autor de "Cromoterapia - A Cura através da Cor" e "Cromoterapia Técnica", dentre outras obras.  Fundou a primeira casa de recuperação energética do Brasil, em Brasília, utilizando a Cromoterapia, sendo grande divulgador da Cromoterapia no Brasil e em diversos países da América e Europa.
Augustus J. Pleasanton –Publicou em 1876 o livro "Luzes do Sol e Azuis", onde relata os efeitos da luz azul no sistema glandular, no sistema nervoso e nos órgãos secretivos.
Dr. Seth Pancoast- Médico cuja obra "Luzes Vermelhas e Azuis", de 1877, retrata o poder bactericida da luz violeta.
Dr. Harry Riley Spitler Spitler – Médico que, baseado nos estudos dos trabalhos de Babbitt e Ghadiali, implantou a terapia da Luz no sanatório em que era dirigente. Spitler descobre com base nos resultados de suas aplicações, que a terapia da luz oferecia eficácia e novas perspectivas de crescimento em aplicações em que a luz era direcionada através dos olhos.
Dr. Robert Gerard – Na década de 70, em sua tese de psicologia, demonstrou que os sentimentos e emoções são influenciados pela visão de determinadas cores, mantendo uma relação com o sistema nervoso autônomo.
Dr. Harry Wohlfarth Focalizou seus esforços no sistema nervoso autônomo (SNA), conseguindo através de estudos empíricos, verificar a influência das cores no SNA e a sua incidência na pressão arterial, na frequência respiratória e no ritmo cardíaco.
Dr. Max Lüscher - Estudou com profundidade a preferência pessoal pela cor.
Através deste estudo, descobriu que a preferência por uma cor está associada a um estado mental e a um estado de equilíbrio hormonal.

Dr Jacob Liberman – Autor do livro "Luz: A Medicina do Futuro”. Considerou a luz como o remédio do futuro. Segundo ele, a luz liberta dos bloqueios físicos e emocionais que o próprio sujeito se impõe (visão metafísica da doença).
Dra. Sharon McDonald -  Em 1982 submeteu 60 mulheres de meia idade portadoras de artrite reumatóide à exposição da luz azul. O resultado obtido indicou que as dores diminuíam enquanto as regiões afetadas permaneciam expostas à luz azul. Também observou que quanto maior o tempo de exposição, maior era o benefício obtido.
Dra. Smith Sonneborn - Iniciou uma pesquisa utilizando organismos unicelulares e descobriu que determinados tipos de luz do espectro visível revertiam o processo de envelhecimento celular e reparavam as células cancerosas.

A Cromoterapia foi reconhecida como Terapia Alternativa  em 1976 pela Organização Mundial de Saúde (OMS). É uma terapia indolor, fisiológica, não invasiva e não possui efeitos colaterais. Ela também pode se basear no princípio bioativo restaurador do equilíbrio energético, que harmoniza a circulação da energia no corpo humano. O corpo é gerado por vibrações de energia, e quando ele é perturbado em qualquer região, gera distúrbios, que desenvolvem as doenças.
O CONTEÚDO PODE SER COPIADO DESDE QUE CITADO AUTORIA E FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário